quinta-feira, 15 de julho de 2010

Moinho do Papel

As duas grandes pedras redondas serviam para desfazer o algodão com o qual se fazia o papel.


Exterior do moinho de papel onde são visíveis as chamadas rodas horizontais. 

Tive hoje a oportunidade de (re)visitar o Moinho do Papel, em Leiria. Um espaço muito interessante, sem sombra de dúvidas. Para além de perceber melhor como funciona o moinho de rodízio, e o moinho de roda vertical (azenha). Foi-me permitido ver como se faz farinha, os três tipos de farinha que ali se fabricam (e vendem): trigo, centeio e milho.
Para além disso, e entrando pelo domínio do papel, é possível ver fazer papel. O papel até à segunda guerra mundial era feito em fibra de algodão, sendo esse mesmo que se consegue ver aí. De referir que esta foi a primeira fábrica de papel em Portugal, determinada por um alvará régio de D. João I, em 1411.
A valorização de um espaço que estava completamente votado ao abandono, e que hoje é um espaço digno de ser visitado. Para além de uma excelente recuperação que foi feita ao espaço, é ainda possível ver e fazer quer farinha quer papel. Isto insere-se dentro de um sector que cada vez cresce mais: o saber-fazer, o experimentar fazer algo.

Imagens retiradas da Internet.