sábado, 18 de maio de 2013

Moinho da Raposa ou Moinho do Barba


Raposa na Carta Militar de Portugal, com a localização do moinho assinalada.

O Moinho da Raposa é talvez o engenho em que podemos observar uma maior mutação da sua função inicial. Edificado na margem esquerda da Ribeira de Muge, à entrada da localidade da Raposa, não conseguimos localizar a sua origem no tempo. Teve no total seis casais de mós, sendo alguns deles (2 ou 3) utilizados para o descasque de arroz. Este moinho fazia essencialmente trabalho para fora, ou seja, tinha uma série de clientes, a quem moía os cereais e descascava o arroz e cobrava uma maquia.

Fachada principal do edifício.

Quanto aos seus proprietários, o primeiro que podemos situar é Francisco Manuel Baptista, também conhecido como “o Barba” (daí a designação do moinho), descrito por José Fernandes como “o homem mais rico da Raposa”. No início dos anos 80 do séc. XX é-lhe adaptado um motor de um barco, passando a funcionar como fábrica de descasque de arroz, sendo o edifício ainda hoje conhecido simplesmente como “o descasque”. É vendido por Manuel Santiago a Cardoso, sendo que este último acaba por deslocalizar a atividade para Monte da Barca (Coruche), onde após a venda a empresas espanholas, acabou por surgir o Arroz Cigala.

Boneca de Trapos – uma das peças do museu mais frágeis, devido à debilidade dos seus materiais.

O edifício é adquirido pela autarquia por 1500 contos já no final dos anos 90, sendo posteriormente remodelado e é inaugurado a 23 de dezembro de 2001 como a Casa da Cultura da Raposa. É uma valência notável, que serve os mais de 500 habitantes da freguesia. Dispõem de um museu com um espólio interessante, desde alfaias agrícolas, brinquedos, alusões às atividades económicas (nomeadamente o descasque de arroz), assim como vários elementos integrantes da vida doméstica dita normal, como utensílios de cozinha, mobílias, bordados, trajes, entre outros, doados pelas pessoas da freguesia. Para além deste museu, dispõe ainda de biblioteca, com área infantil (quantas freguesias com 500 habitantes conhecemos que têm biblioteca?), assim como um salão, bar e sala de ATLs.

Meio alqueire, utilizado nos moinhos para medir farinha.

Conjunto de loiças de barro, utilizadas na vida doméstica.

Biblioteca, com destaque da área infantil.

Bar