segunda-feira, 10 de junho de 2013

Porque hoje é dia de Portugal, das Comunidades e de Camões

Os Lusíadas, de Luís Vaz de Camões, são a obra que relata o sentimento e o orgulho de ser português, ainda hoje, mesmo sendo feita à luz da realidade do séc. XVI, pois basta-nos ver as duas primeiras estrofes:

1
As armas e os barões assinalados
Que da Ocidental praia Lusitana,
Por mares nunca dantes navegados
Passaram ainda além da Taprobana,
Em perigos e guerras esforçados
Mais do que prometia a força humana,
E entre gente remota edificaram
Novo Reino, que tanto sublimaram;

2
E também as memórias gloriosas
Daqueles Reis que foram dilatando
A Fé, o Império, e as terras viciosas
De África e de Ásia andaram devastando,
E aqueles que por obras valerosas
Se vão da lei da Morte libertando,
Cantando espalharei por toda parte,
Se a tanto me ajudar o engenho e arte.




Mas, como disse uma prof. de português que tive, somos um povo peculiar, que a última palavra dos Lusíadas é um sentimento que, infelizmente, frequentemente nos marca: 

Ou fazendo que, mais que a de Medusa, 
A vista vossa tema o monte Atlante, 
Ou rompendo nos campos de Ampelusa
Os muros de Marrocos e Trudante, 
A minha já estimada e leda Musa 
Fico que em todo o mundo de vós cante, 
De sorte que Alexandro em vós se veja, 

Sem à dita de Aquiles ter enveja.


E por ser dia de Camões, aproveito para partilhar um dos sonetos que mais gosto de Camões: 

Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades,
muda-se o ser, muda-se a confiança;
todo o Mundo é composto de mudança,
tomando sempre novas qualidades.
Continuamente vemos novidades,
diferentes em tudo da esperança;
do mal ficam as mágoas na lembrança,
e do bem (se algum houve), as saudades.
O tempo cobre o chão de verde manto,
que já coberto foi de neve fria,
e, enfim, converte em choro o doce canto.
E, afora este mudar-se cada dia,
outra mudança faz de mor espanto,
que não se muda já como soía.