quarta-feira, 9 de outubro de 2013

No aniversário da criação da Freguesia de Fazendas de Almeirim – Parte I

A Freguesia de Fazendas de Almeirim comemora neste mês de Outubro 57 anos de existência. Não queríamos deixar passar esta data em branco, assilando-a com dois posts: este sobre o lugar das Fazendas de Almeirim e o segundo, sobre as Freguesia em si.


O lugar de Fazendas de Almeirim – contributos para a sua história

As Fazendas de Almeirim são um lugar relativamente recente. Com efeito, a origem deste pode situar-se no final do séc. XIX, com os “aforamentos nos terrenos limítrofes de dois latifúndios Gouxa/Atela e Alorna, para fixação de mão-de-obra rural” (ponto 1 do Projeto de Lei n.º 600/V). A sua importância foi-se afirmando, com o crescimento populacional que os aforamentos proporcionaram. No censo de 1911, a “População Dispersa” da freguesia de Almeirim, que segundo Henriques (2006) corresponde zona onde Fazendas de Almeirim se viria a desenvolver, possuía 1480 habitantes.
Vista parcial de Fazendas de Almeirim, da Zona da Serra.

Há a mencionar duas fontes coevas, dos anos 20 do séc. XX, que podem dar-nos ideia do que seria o local onde se desenvolveram as Fazendas de Almeirim. 

O primeiro documento é a publicação de Vasconcelos (1926), sobre o Paço Real da Ribeira de Muge. Com efeito, no segundo parágrafo, o autor faz uma descrição da viagem de Almeirim ao paço, dando interessantes notas sobre o caminho. Assim, refere que a estrada é de macdame, com uma extensão de cerca de seis quilómetros e meio da saída de Almeirim até terminar. 

Se Almeirim nessa época chegasse aproximadamente à zona onde hoje estão os celeiros da EPAC, também conhecidos como “Celeiros do Arroz”, esta distância finda na Serra de Almeirim, onde também terminava a Freguesia de Almeirim. Isto coincide com o autor, pois este refere que a estrada terminava numa elevação, sendo esta a primeira elevação digna de nota existente entre Almeirim e o Paço Real da Ribeira de Muge. Vasconcellos (1926), refere que esta estrada de macdame atravessava os chamados “Casais do Concelho”, pelo que possivelmente seria este o nome pelo qual as Fazendas de Almeirim eram conhecidas nesta época. 

“Distrito de Santarêm” (pormenor) – desenhado por A. J. Pedroso, presente no “Guia de Portugal”


O segundo documento que temos para apresentar é o primeiro guia turístico português, sob a simples designação de “Guia de Portugal”. A sua primeira edição foi em 1927, sendo coordenado por Raul Proença. Neste não há qualquer referência à existência das Fazendas de Almeirim. De igual modo, o mapa do distrito de Santarém incluído no guia (de A. J. Pedroso, datado de Abril de 1925), que podemos ver acima, não aparece qualquer aglomerado mencionado na zona das Fazendas de Almeirim. Isto vem de encontro à tese de que este seria o povoado ainda sem expressão à época, ou que, pelo menos não estaria ainda desenvolvido, sendo muito disperso e pouco coeso, caraterística intimamente ligada aos terrenos aforados.

Segundo este guia, a ligação entre Paço dos Negros e Almeirim fazia-se via Raposa e não pelo caminho que hoje conhecemos. O que nos faz colocar duas hipóteses: ou o caminho via Fazendas de Almeirim era pouco utilizado, ou simplesmente era desconhecido daqueles que elaboram o guia. 

Igreja de S. José, em Fazendas de Almeirim. 


Devido aos aforamentos, Fazendas de Almeirim cresce exponencialmente em termos de população durante a primeira metade do séc. XX, levando a que seja elevada a freguesia em 1956. Posteriormente, é criada a Paróquia de Fazendas de Almeirim, sob padroado de S. José, a 16 de julho de 1957, conforme atesta a placa na Igreja de S. José.

O seu crescimento foi tal ao longo de todo o séc. XX, que acabará o lugar das Fazendas de Almeirim, sede de freguesia, por ser elevado à categoria de Vila. De realçar que a Lei 80/91, de 16 de agosto, que fez esta promoção, localiza erroneamente este lugar no concelho de Santarém.

BIBLIOGRAFIA E OUTRAS FONTES:
DECRETO-LEI n.º 40 812, de 19 de outubro de 1959.
LEI n.º 80/91, de 19 de agosto. “Elevação da povoação de Fazendas de Almeirim à categoria de vila”, Diário da República.
HENRIQUES, Eurico Manuel Lopes (2006). Coisas Urgentes: Almeirim - 1920. Almeirim: Edição do Autor. 
PROENÇA, Raul - coord. (1927). Guia de Portugal: Estremadura, Alentejo e Algarve, vol. II. (reprodução feita em 1991 pela Fundação Calouste Gulbenkian).
PROJETO de Lei n.º 600/V. “Elevação de Fazendas de Almeirim à categoria de vila”, Diário da Assembleia da República.
VASCONCELLOS, Frazão de (1926). “O Paço dos Negros da Ribeira de Muge e os seus almoxarifes”, separata da publicação Brasões e Genealogias. Lisboa: Tipografia do Comércio.