domingo, 3 de novembro de 2013

"A encomenda prodigiosa" - Exposição temporária



 Tratou-se de uma exposição temporária presente no Museu Nacional de Arte Antiga e o Museu de S. Roque, em Lisboa, entre maio e outubro do presente ano. Exposição de arte sacra, intimamente ligada às origens do Patriarcado Português. Para melhor a perceber, será pertinente estabelecer, ainda que telegraficamente, alguns pontos históricos que possam dar uma melhor contextualização: 

- Em 1716 é criado o Patriarcado de Lisboa Ocidental pelo Papa Clemente XI. A Capela Real do Paço da Ribeira é elevada a Basílica Patriarcal. Este facto surge como uma política de prestígio da Coroa Portuguesa.

- Em 1718 a enviatura de Portugal à Santa Sé, existente desde 1707, é transformada numa Embaixada, após a obtenção da criação da basílica patriarcal.

- Em 1737 é atribuída a dignidade de cardinalícia ao Patriarca de Lisboa Ocidental.
- Em 1748 o Papa Bento XIV atribui a D. João V do título de Rei Fidelíssimo.

A exposição deu pelo nome completo “A Encomenda Prodigiosa, da Patriarcal à Capela Real de S. João Baptista”. O seu espólio consistia essencialmente em encomendas feitas por D. João V a vários artistas romanos, para decoração da Basílica Patriarcal. Entendida como uma extensão desta foi a Capela de S. João Baptista, na Igreja de S. Roque. Se a primeira desapareceu no terramoto de 1755, a segunda fez parte da exposição, como um verdadeiro “património in situ”. 


Esta transmite todo o esplendor e profusão decorativa do barroco, que o ouro vindo do Brasil permitia comprar. Esta capela

“Trata-se de um verdadeiro tesouro da arte, concebida em mármore e colorinda. Os escultores Maine e Giusti fizeram em Carrara os retábulos do tecto. As oito colunas são de lápis-lazuli com alabastro, sendo as figuras dos capitéis em bronze. Quadros em pintura ou em mosaico, representam o baptismo de Cristo no Rio Jordão. A capela é ainda enriquecida com um conjunto de alfaias de requintado valor artístico.” (Serrão, 2006:439).


É impossível transmitir por palavras o que se pode ver naquela exposição. Conta com uma enorme acervo, não só de alfaias litúrgicas, como também de pintura, escultura, mobiliário e paramentaria. Num esforço de trazer de vários pontos e várias coleções do país objetos diversos, foi conseguida a construção de uma exposição ímpar.


A nível da organização, a destacar a elaboração de um folheto simples e acessível, quer em linguagem, quer em grafismo. Por outro lado, elaborou-se igualmente um catálogo da exposição, algo importante não só para se conhecer mais sobre a coleção exposta, como para a fazer durar para além do prazo em que esta esteve aberta ao público. Como aspeto menos positivo, há a referir as tabelas muito pequenas (contudo, prática comum nas nossas exposições).

Bibliografia e outras fontes
(2013). A Encomenda Prodigiosa: Da Patriarcal à Capela Real de S. João Baptista. (folheto de visita à exposição).

Blog “De Lisboa para Portugal” e “Panorâmico”. (Fotos)

MATTOSO, José – dir. (1993). História de Portugal: O Antigo Regime (1620-1807), Vol. 4. S/l: Círculo de Leitores.

SERRÃO, Joaquim Veríssimo (2001). História de Portugal – A Restauração e a Monarquia Absoluta (1640-1750), vol. V, 2.ª edição. S/l: Ed. Verbo.

TENGARRINHA, José – org. (2000). História de Portugal. São Paulo: Instituto Camões.